OS LIPÍDIOS

fevereiro 25, 2009 às 11:36 am | Publicado em Blogroll, Uncategorized | Comentários desativados em OS LIPÍDIOS

Os lipídios

Os lipídios constituem um grupo diverso de substâncias cuja característica principal é a de serem apolares e destituídas de cargas, sendo, portanto, pouco solúveis em água, ou seja, são hidrofóbicas (mas são solúveis em outros tipos de solventes). É importante destacar de imediato que o consumo de lipídios em excesso pode desencadear problemas de saúde como a obesidade e a aterosclerose, um tipo de arteriosclerose (perda da elasticidade dos vasos sangüíneos) graças ao acúmulo de placas de lipídios nos vasos sangüíneos.

Os principais tipos de lipídios e suas funções são:

1) Glicerídios: constituídos de um álcool, o glicerol, ao qual se ligam moléculas de ácidos graxos, moléculas de cadeias carbônicas longas. Os triglicerídios são os glicerídios contendo 3 ácidos graxos ligados ao glicerol:



Triglicerídios com ácidos graxos de cadeias insaturadas, ou seja, apresentando duplas ligações na cadeia carbônica, são os óleos, líqüidos em temperatura ambiente, pois a dupla ligação causa uma curvatura na cadeia carbônica, impedindo-os de serem empacotados próximos uns dos outros ao ponto de solidificarem. Em contrapartida, os de cadeias saturadas, ou seja, saturados de hidrogênios ligados e sem ligações duplas entre os carbonos da cadeia, são as gorduras, sólidas em temperatura ambiente.

Outro ponto importante a ser destacado sobre lipídios contendo ácidos graxos saturados e insaturados é o de que os insaturados fazem menos mal à saúde, aparentemente devido ao fato de que não podem ser organizados de forma tão compactada como os saturados, dificultando a formação de coágulos. Também é possível que o fato de terem uma dupla ligação na cadeia os tornem mais reativos e suscetíveis à ação enzimática. Boas fontes de ácidos graxos insaturados são o azeite, o salmão, a castanha-do-Pará e o abacate.


Em (A), alguns ácidos graxos saturados bastante empacotados. Em (B), note como a curvatura causada pela dupla ligação em um ácido graxo insaturado não permite que as moléculas sejam empacotadas de forma tão próxima. Fonte: Stryer. Biochemistry. 5th Ed.

Como funções dos glicerídios podemos destacar:

  • Constituem reserva energética para momentos de necessidade.
  • Isolante térmico (o tecido adiposo dos animais).
  • São necessários na absorção de vitaminas lipossolúveis (KADE).
  • Envolvidos na construção das membranas biológicas.
  • Requeridos na síntese das prostaglandinas, substâncias envolvidas em diversos processos, como a agregação plaquetária, inflamações e contração da musculatura lisa.

2) Ceras: constituídas de um álcool (que não o glicerol!) ao qual se ligam moléculas de ácidos graxos. Dentre suas funções podemos destacar a impermeabilização das folhas, prevenindo a perda excessiva de água. Também fazem parte da estrutura das colméias das abelhas.


3) Carotenóides: pigmentos avermelhados presentes nas células das plantas, envolvidos no processo fotossintético. O β-caroteno, presente nas cenouras, pode ser clivado em duas moléculas de vitamina A, o retinol, fundamental para o processo da visão.


4) Fosfolipídios: são os principais componentes das membranas biológicas, geralmente constituídos de uma molécula de glicerol ligada a dois ácidos graxos e um grupo fosfato. Sendo assim, a molécula possui uma porção carregada (o grupo fosfato), portanto hidrofílica, e uma porção não carregada (os ácidos graxos), hidrofóbica. Devido à sua estrutura, os fosfolipídios são então capazes de formar bicamadas lipídicas como as membranas biológicas. Moléculas que possuem uma porção hidrofílica e uma hidrofóbica são denominadas anfipáticas.


5) Esteróides: são moléculas de estrutura distinta das duas anteriores, constituídas de anéis carbônicos. Um esteróide bastante importante é o colesterol, molécula componente das membranas biológicas, nas quais tem as funções de regulagem da fluidez e também as tornam mais rígidas. (Observação: as plantas não possuem colesterol!).


Fonte: Stryer. Biochemistry. 5th Ed.

São também utilizados como precursores na síntese dos chamados hormônios esteróides.

E sobre os chamados colesterol bom e ruim?

As moléculas de colesterol e fosfolipídios podem ser transportadas no sangue associadas a certas proteínas. Ao conjunto lipídios mais proteínas, damos o nome de lipoproteínas. Destacaremos as LDL, liproproteínas de baixa densidade (low density liprotein) e as HDL, liproteínas de alta densidade (high density liprotein).


Modelos de uma LDL e uma HDL. Retirada de: http://www.nytimes.com/imagepages/2007/08/01/health/adam/19279HDLandLDL.html

Ambas podem transportar tanto o colesterol (com destinos diferentes) e os fosfolipídios, todavia, a LDL transporta principalmente colesterol para as células do corpo, ao passo que a HDL transporta principalmente fosfolipídios, e em menor quantidade, colesterol, mas para ser eliminado no fígado pela bile.

A LDL é às vezes chamado de “colesterol ruim”, pois o problema é que o consumo elevado de colesterol pode promover a diminuição da captação das LDL pelas células, e isso por sua vez pode promover o aumento da deposição desses lipídios nos vasos, e daí advêm doenças como a aterosclerose.


http://www.nhlbi.nih.gov/health/dci/Diseases/Atherosclerosis/Atherosclerosis_WhatIs.html

Em contrapartida, o consumo de óleos vegetais insaturados como os presentes no azeite (lembre-se que gorduras insaturadas são aquelas que apresentam dupla ligação entre átomos de carbono na cadeia carbônica, tornando as moléculas mais reativas), promove o aumento da produção de HDL, o que por sua vez, promove a eliminação de colesterol.

Exceto onde indicado, todas as figuras foram retiradas de KOOLMAN & ROEHM. Color Atlas of Biochemistry. 2nd Ed. 2005.


Anúncios


Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: