A FÉ IMPOSSÍVEL – PARTE 15

fevereiro 14, 2007 às 3:34 pm | Publicado em Blogroll, Uncategorized | Deixe um comentário

 

A FÉ IMPOSSÍVEL

Ou: Como não começar uma religião antiga.

Por: J.P. Holding – Tektonics.org

http://www.tektonics.org/lp/nowayjose.html

 

FATOR #15 – UM PROFETA SEM HONRA

 

·        Marcos 6:4 – Mas Jesus disse: – Um profeta é respeitado em toda parte, menos na sua terra, entre os seus parentes e na sua própria casa.

 

Já notamos acima que Jesus morreu de forma desonrosa, e veio de um local com baixo “índice de honra”. Há mais sobre esta questão da desonra, mas para não parecer que estamos “arrumando o baralho” em nosso favor, vejamos alguns outros locais onde Jesus suportou a desgraça – e, portanto, também ofendeu as sensibilidades dos seus contemporâneos:

 

·        A zombaria antes da sua execução – isto não era um mero jogo de enfeite, mas um insulto calculado à honra de Jesus e à sua alegação de ser o Rei dos Judeus. Fazer isso, e desafiar Jesus a profetizar, era uma forma de se desafiar e negar a honra dele. De acordo com o pensamento de uma sociedade baseada na honra, Jesus deveria ter aceitado o desafio e mostrado ser um profeta ou rei.

·        As acusações – superficialmente, Jesus cometeu blasfêmia abertamente e confessou ser culpado do crime de sedição. “Aqueles eleitos para seguir um homem subversivo e desgraçado eram imediatamente suspeitos aos olhos [dos Judeus e Romanos]” [DeSilva, 46].

·        O enterro – Byron McCane escreveu um artigo, The Shame of Jesus’ Burial [A Vergonha do Enterro de Jesus], no qual ele argumenta que José de Arimatéia tinha outros motivos, além de ser um discípulo de Jesus, para organizar o enterro: Preencher o requerimento de Deuteronômio 21:22-23 e enterrar um homem pendurado em um madeiro antes do por do sol, e como membro do Sinédrio, José teria esta preocupação e faria os preparos. Por outro lado, o fato de Jesus ter sido enterrado no túmulo de José – e não em um túmulo pertencente à sua própria família – era por si só desonroso. A falta de pessoas de luto também foi uma grande desonra.

 

Seria justo notar que McCane não considera tudo o que está nos Evangelhos como confiável. Ele indica também que José não era realmente um discípulo de Jesus, era apenas um membro do Sinédrio fazendo seu trabalho. Talvez não tivesse passado pela cabeça de McCane supor que José usou seu dever como pretexto para conseguir o corpo de Jesus, antes que algum outro membro do Sinédrio com menos respeito por ele o fizesse. Mas em todo caso, mesmo com os relatos dos Evangelhos considerados completamente precisos, eles “ainda apresentam um enterro no qual um Judeu na Palestina Romana seria reconhecido como desonrado.”

TrackBack URI

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: