A MICROEVOLUÇÃO PODE EXPLICAR A MACROEVOLUÇÃO?

janeiro 11, 2007 às 11:16 am | Publicado em Blogroll, Uncategorized | Deixe um comentário

Sumário: A Controvérsia Científica Sobre se a Microevolução Pode Explicar a Macroevolução.

© Center for Science and Culture/Discovery Institute, 1511 Third Avenue, Suíte 808, Seattle, WA 98101

Quando Charles Darwin publicou A Origem das Espécies em 1859, já se sabia que as espécies existentes podiam sofrer modificações ao longo do tempo. Isto é a base do melhoramento artificial, que já era praticado há milhares de anos. Darwin e seus contemporâneos também eram familiarizados com o registro fóssil e sabiam que haviam ocorrido grandes mudanças nos seres vivos ao longo do tempo geológico. A teoria de Darwin dizia que um processo análogo ao melhoramento artificial também ocorria na natureza, ele chamou este processo de seleção natural. Essa teoria também dizia que as mudanças nas espécies existentes, devidas primariamente à seleção natural, poderiam, se dado o tempo suficiente, produzir as grandes mudanças que vemos no registro fóssil.

Depois de Darwin, o primeiro fenômeno (mudanças dentro de uma espécie já existente, ou conjunto genético, ou pool gênico) foi denominado “microevolução”. Há uma abundância de evidências para se crer que ocorram mudanças dentro das espécies existentes, tanto domésticas quanto selvagens, então a microevolução é incontestável. O segundo fenômeno (Mudanças em larga-escala ao longo do tempo geológico) foi denominado “macroevolução”, e a teoria de Darwin de que os processos responsáveis pelo primeiro fenômeno podem explicar o segundo foi controversa desde o início. Muitos biólogos, durante e depois do tempo em que Darwin viveu têm questionado se o equivalente natural da criação doméstica poderia fazer o que a criação doméstica nunca fez – em outras palavras, produzir novas espécies, órgãos e planos corporais. Nas primeiras décadas do Século XX, o ceticismo sobre este aspecto da evolução era tão grande que a teoria de Darwin foi eclipsada. (Ver o Capítulo 9 do livro de Peter Bowler – Evolution: The History of an Idea, University of California Press, edição revisada, 1989).

Nos anos de 1930, os “neo-Darwinistas” propuseram que as mutações genéticas (que Darwin desconhecia) poderiam resolver o problema. Apesar de a grande maioria das mutações ser prejudicial (e assim não poderem ser favorecidas pela seleção natural), em casos raros elas podem beneficiar um organismo. Por exemplo, mutações genéticas podem explicar alguns casos de bactérias resistentes a antibióticos; se um organismo está na presença do antibiótico, tal mutação é benéfica. Entretanto, todas as mutações benéficas conhecidas afetam somente a bioquímica de um organismo; a evolução Darwiniana requer mudanças em grande escala na morfologia ou anatomia. Na metade do Século XX, alguns geneticistas Darwinianos sugeriram que “macromutações” ocasionais poderiam produzir as mudanças morfológicas em grande escala requeridas pela teoria de Darwin. Infelizmente, todas as mutações morfológicas conhecidas são danosas, e quanto maiores seus efeitos, mais danosas são. As críticas científicas das macromutações passaram a chamar isso de hipótese dos “monstros promissores” [hopeful monsters]. (Ver o Capítulo 12 do livro de Bowler).

A controvérsia científica sobre se os processos observáveis dentro de espécies e conjuntos gênicos existentes (microevolução) podem explicar as grandes mudanças ao longo do tempo geológico (macroevolução) continua até hoje. Aqui estão alguns exemplos de artigos científicos recentes, revisados por especialistas, que fazem referência a isso:

· David L. Stern, “Perspective: Evolutionary Developmental Biology and the Problem of Variation”, Evolution 54 (2000): 1079-1091. [Perspectiva: Biologia do Desenvolvimento Evolutiva e o Problema da Variação].

o “Um dos problemas mais antigos na biologia evolutiva permanece em grande parte não solucionado… Historicamente, os responsáveis pela síntese neo-Darwinista enfatizaram a predominância de micromutações na evolução, enquanto outros notaram as similaridades entre algumas mutações dramáticas e as transições evolutivas para argumentar a favor do macromutacionismo.”

· Robert L. Carrol, “Towards a New Evolutionary Synthesis”, Trends in Ecology and Evolution, 15 (January, 2000): 27. [Em Direção a uma Nova Síntese Evolutiva]

o “Fenômenos evolutivos em grande escala não podem ser entendidos somente tendo como base a extrapolação de processos observados em nível de populações e espécies modernas.”

· Andrew M. Simons, “The Continuity of Microevolution and Macroevolution”, Journal of Evolutionary Biology 15 (2002): 688-701. [A Continuidade da Microevolução e Macroevolução]

o “Um debate persistente em biologia evolutiva é sobre a continuidade da microevolução e macroevolução – se as tendências macroevolutivas são regidas pelos princípios da microevolução.”

Deve ser notado que todos os cientistas citados acima crêem na evolução Darwiniana, e todos eles crêem que a controvérsia eventualmente será resolvida dentro do arcabouço desta teoria. Stern, por exemplo, acredita que novos estudos sobre as funções de genes envolvidos no desenvolvimento propiciarão “o elo perdido atual” (p. 1079) O ponto importante aqui é que a controvérsia ainda não foi resolvida, precisamente porque ainda falta a evidência necessária para resolvê-la. É importante que os estudantes saibam o que a evidência mostra e o que ela não mostra – e não somente o que alguns cientistas esperam que a evidência irá mostrar eventualmente.

Como a controvérsia sobre a microevolução e a macroevolução está no coração da teoria de Darwin, e como a teoria evolutiva é tão influente na biologia moderna, o fato de os currículos de biologia ignorarem a controvérsia inteiramente é um desserviço para os estudantes. Além do mais, visto que a evidência científica necessária para resolver a controvérsia ainda está faltando, é errado dar aos estudantes a impressão de que a controvérsia já foi resolvida e que todos os cientistas chegaram a um consenso sobre essa questão.

—————————————-

Tradução: Maximiliano Mendes.

Para baixar o arquivo (.pdf), clique < aqui >, ou< aqui >.

O artigo original pode ser encontrado < aqui >.

 

Anúncios

TrackBack URI


Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: