SERÁ QUE DEUS ODEIA AS CRIANCINHAS?

novembro 4, 2006 às 1:52 pm | Publicado em Blogroll, Uncategorized | Deixe um comentário

INTRODUÇÃO

 

 

 

Esta é uma crítica/objeção relativamente comum, acerca do que está escrito em 2 Reis 2:23-25. Vejamos o trecho na NTLH e na KJV:

 

  • NTLH: 23 Eliseu saiu de Jericó para ir a Betel. Ele ia andando pela estrada, quando alguns rapazes saíram de uma cidade e começaram a caçoar dele, gritando assim: – Ô seu careca, fora daqui! 24 Eliseu virou para trás, olhou firme para os rapazes e os amaldiçoou em nome de Deus, o Senhor. Então duas ursas saíram do mato e despedaçaram quarenta e dois deles. 25 Dali Eliseu foi até o monte Carmelo e depois voltou para Samaria.
  • KJV: 23 And he went up from thence unto Bethel: and as he was going up by the way, there came forth little children [criancinhas] out of the city, and mocked him, and said unto him, Go up, thou bald head; go up, thou bald head [Sobe seu careca]. 24 And he turned back, and looked on them, and cursed them in the name of the Lord. And there came forth two she bears out of the wood, and tare forty and two children of them. 25 And he went from thence to mount Carmel, and from thence he returned to Samaria.

Nossa! Como Deus é mau, ele mata criancinhas só por causa de uma brincadeirinha inocente! Um Deus desses não pode existir… Então vamos lá.

 

CRIANCINHAS OU RAPAZES?

 

Em primeiro lugar, lendo as traduções, é bem possível que os zombadores não eram criancinhas, mas sim rapazes ou jovens. As palavras em hebraico utilizadas aqui são na`ar (v. 23) [1] e yeled (v. 24) [2] (Observar os significados possíveis nos links para o lexicon).

 

Na’ar parece ser utilizada para se referir à faixa etária de 12 a 30 anos, ou rapazes de até 30 anos que ainda não são casados [3, 4, 5]. Esta mesma palavra também aparece em 1 Reis 20:14-15 para se referir a alguns jovens que comandariam um ataque contra os sírios, e eles possivelmente também não eram crianças [4]:

 

  • 14– Quem vai comandar o ataque? – perguntou Acabe. O profeta respondeu: – O Senhor diz que os jovens ajudantes dos administradores dos distritos é que devem fazer isso. – Quem vai comandar a força principal? – perguntou o rei. – O senhor, ó rei! – respondeu o profeta. 15Então o rei mandou chamar os ajudantes dos administradores dos distritos, que eram duzentos e trinta e dois. Aí o rei convocou o exército israelita, que tinha sete mil homens.

 

SE NÃO ERAM CRIANÇAS…

 

O que esse pessoal todo estava fazendo fora de suas casas? Naqueles tempos, se o indivíduo tivesse fome, não tinha ticket do lulla, eles é que tinham de produzir seu próprio alimento. O requerido aqui, é que cada membro da família fizesse sua contribuição com o intuito de promover a sobrevivência do grupo [6].

 

Sendo assim, o trecho pode ser entendido como uma gangue de marginais ameaçando Eliseu, possivelmente da mesma idade dele [7] tanto que foi preciso haver 42 mortes (quantos mais haveriam no grupo?) para servir de aviso a quem mais ousasse desafiar a autoridade do Senhor [3, 4, 8]. Algumas traduções da Bíblia como a NVI, ainda trazem a palavra meninos, mas como já vimos, é possível que este seja um erro de tradução.

 

MAS MESMO ASSIM, PEGOU PESADO!

 

Acontece que naquele tempo e lugar, o antigo oriente médio – AOM, a calvície era uma condição rara, e associada à vergonha e à desgraça [9], inclusive, sabe-se que os leprosos tinham suas cabeças raspadas [3, 4]. Os judeus tinham grande apreço pelos seus cabelos e até pela barba, em 2 Samuel 10:4-5 temos um exemplo de insulto associado com a barba de soldados:

 

  • 4Então Hanum pegou os mensageiros de Davi, raspou um lado da barba deles, cortou as suas roupas até a altura das nádegas e os mandou embora. 5Quando Davi soube disso, enviou outros mensageiros para se encontrarem com eles porque eles estavam muito envergonhados. Davi mandou lhes dizer que ficassem na cidade de Jericó e que só voltassem quando as suas barbas tivessem crescido de novo.

 

(O escritor grego Aristófanes também utiliza a calvície como motivo de zombaria [9].)

 

E ao contrário, parece que cabelos longos poderiam ser considerados como sinais de força e vigor [9], como exemplo disso, temos Absalão.

 

Estes fatores, óbvio, constituem ofensas contra Eliseu. Não precisamos voltar muito no tempo, basta assistir uma dessas novelas de época para se ver que as ofensas eram levadas muito mais a sério do que hoje em dia, e claro, no AOM, não era diferente. As pessoas daquele tempo zelavam muito pela sua honra e reputação, e os insultos requeriam respostas adequadas (um exemplo na literatura antiga é oferecido por Homero, na Ilíada: Aquiles se recusou a lutar contra os troianos ao sentir que seus compatriotas não estavam lhe mostrando o devido respeito, sendo ele um guerreiro de tanto prestígio) [9]. Quem estaria disposto a ouvir a mensagem de um suposto profeta cujo Deus não veio ao seu auxílio em um momento de perigo e sendo ofendido assim?

 

Então, se o bando ofendeu Eliseu, no que diz respeito ao aspecto teológico, estavam ofendendo o próprio Deus, visto que o profeta é o instrumento que Deus usa pra falar. Pode se entender que a zombaria significava que os jovens estavam ridicularizando a idéia de que se Deus quisesse ele poderia elevar Eliseu aos céus como fez com Elias (“go up, go up”) [3, 4, 8]:

 

  • 2 Reis 2:11 – E assim foram andando e conversando. De repente, um carro de fogo puxado por cavalos de fogo os separou um do outro, e Elias foi levado para o céu num redemoinho.

 

Mesmo após Deus ter mostrado suas obras (ver 1 Reis 18), é possível que estes indivíduos, talvez influenciados pelos profetas de baal [5], ainda quisessem desafiar a autoridade do Senhor, ofendendo seu profeta [8]. Se Deus permitisse que ofensas como essas passassem impunes, o que aconteceria com a fé do povo? E a mensagem? Que tipos de danos, esta ou outras súcias de malandros poderiam infligir à população religiosa de Betel (que era um centro religioso)? Na verdade, essas 42 mortes acabaram evitando um mal muito maior [3, 4, 8].

 

Detalhe: Este crime já havia sido tipificado na Lei de Moisés, em Levítico 26:21-22:

 

  • 21 – E, se ainda assim vocês teimarem em pecar, em me rejeitar e em desobedecer aos meus mandamentos, eu mandarei um castigo sete vezes pior. 22 Mandarei para o meio de vocês animais selvagens que matarão os seus filhos, acabarão com o seu gado e matarão tanta gente, que não haverá ninguém para andar pelas estradas.

 

PS: Alguns críticos ainda afirmam que não existem ursos naquela região. Isto é um erro proveniente da falta de interesse, pois aquela região é habitada por uma subespécie de urso pardo chamada Ursus arctos syriacus:

 

 

EU AINDA ACHO QUE NA VERDADE ERAM 42 CRIANÇAS.

 

Mesmo que não haja um problema de tradução, ou seja, que as ursas tenham matado 42 crianças, lembremos-nos do seguinte: Essas crianças já tinham maturidade suficiente para caçoar de um profeta, e estavam andando em um bando numeroso, ao invés de estarem auxiliando suas famílias nas tarefas do dia-a-dia [6]. Na prática, excluindo, claro, o pessoal pró direitos humanos dos bandidos, estatuto da criança e do adolescente – ECA, e os que acham que todo mundo é bom e sempre tem de ter uma nova oportunidade, creio que o cidadão comum não é muito fã dos anjinhos da FEBEM, pois sabe muito bem do que eles são capazes.

 

Outra coisa a se pensar é o seguinte: Se eles tivessem fugido, certamente não seria possível que duas ursas matassem 42 pessoas! Sinceramente, isso me leva a crer que a afronta foi tal, que esses indivíduos tiveram a audácia de enfrentar os animais enviados por Deus, na tentativa de derrotar o Senhor, e se deram mal.

 

CONCLUSÃO

 

Infração requer punição. Se este ato tivesse passado impune, muitas pessoas iriam passar a duvidar da autoridade do profeta do Senhor, e do próprio Deus, então no fim das contas, o resultado foi um bem maior, inclusive se considerarmos que após este incidente o povo reconheceu Eliseu como verdadeiro profeta [8]:

 

  • 2 Reis 3:12 – Ele é profeta e diz o que o Senhor manda! – disse o rei Josafá.

 

Outro comentário ainda afirma que [10]:

 

“[E]m vez de demonstrar crueldade desenfreada, o ataque das ursas mostra como Deus tenta repetidamente trazer seu povo de volta por meio de juízos menores evitando que o pecado do povo cresça demais e o juízo precise vir com força total […] A desastrosa queda de Samaria teria sido evitada caso o povo tivesse se arrependido após o ataque das ursas.”

 

REFERÊNCIAS:

 

[1] http://bible.crosswalk.com/Lexicons/Hebrew/heb.cgi?number=05288&version=kjv

[2] http://bible.crosswalk.com/Lexicons/Hebrew/heb.cgi?number=03206&version=kjv

[3] GEISLER, NL & HOWE T. Manual popular de dúvidas, enigmas e “contradições” da Bíblia. Mundo Cristão, 1999.

[4] STROBEL, L. Em Defesa da Fé. Vida, 2002.

[5] MORRIS, HM. The New Defender’s Study Bible. World Publishing. 2005.

[6] http://www.tektonics.org/af/callahanproph.html#2kin223

[7] RICHARDS, LO (Editor). The Discovery Study Bible. Zondervan, 2004.

[8] ARCHER, G. New International Encyclopedia of Bible Difficulties. Zondervan, 2001.

[9] KAISER, WC & GARRET, D (Editores). Archaeological Study Bible. Zondervan. 2006.

[10] KAISER, WC, et al., Hard Sayings of the Bible. InterVarsity Press, 1996. Citado em [4].

TrackBack URI

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: