EZEQUIEL 4

setembro 17, 2006 às 12:02 pm | Publicado em Blogroll, Uncategorized | Deixe um comentário

 

Alguns criticam Deus e a Bíblia, pois ao lerem o capítulo 4 de Ezequiel, acham que é inadmissível alguém ser “condenado” a passar tantos dias deitado e amarrado como um prisioneiro, e além disso, preparar seu alimento nas fezes! Como um Deus bom poderia fazer tamanha maldade e blá blá blá?

 

 

Bem, muito provavelmente o profeta não passou esse tempo todo deitado e amarrado tipo uma mocinha nos trilhos, inclusive porque se esse fosse o caso, ele não poderia preparar os tais bolinhos, ou beber água e efetuar outras necessidades básicas. Mas que ele deve ter passado um bom tempo deitado nesse tipo de representação, deve. Um comentário, Ryrie, diz que é provável que esta representação só ocorresse durante as horas do dia em que ele estava profetizando. Bem, seja o que for, Deus tinha à sua disposição estas formas mais gráficas de comunicar as mensagens ao povo, e elas na verdade ilustram mais claramente as conseqüências do pecado. O recado foi dado, quem quiser que ouça.

 

 

PS: Na minha opinião existem coisas bem mais esquisitas, tipo, certos tipos de representações artísticas (arte performática?), e isso:

http://www.boston.com/news/world/articles/2004/06/06/hindu_holy_roller_striving_to_achieve_whirl_peace/?page=1

 

 

Sobre o restante, fezes secas ainda são utilizadas em alguns locais do mundo como combustível, afinal de contas, não existe abundância de madeira em locais áridos:

 

 

http://nationalzoo.si.edu/Publications/ZooGoer/1999/5/camelservicesurvival.cfm

 

http://en.wikipedia.org/wiki/Manure

 

http://www.wired.com/news/planet/0,2782,68127,00.html

 

 

A questão sobre utilizar fezes humanas ou de gado é teológica, sobre o que é ritualmente puro ou não, não é necessário abordar.

 

 

Terminando, já sabendo como são os críticos, talvez eles ainda queiram acusar Deus de ser mau, pois não ofereceu ao profeta, em tempos de adversidade, uma churrasqueira elétrica, ou melhor: passagens aéreas para as Bahamas.

 

 

Mais sobre Ezequiel 4 aqui:

 

http://www.muslimhope.com/BibleAnswers/ezek.htm/

Anúncios

RESPOSTINHA CURTA CONTRA O RELATIVISMO

setembro 9, 2006 às 11:15 am | Publicado em Blogroll, Uncategorized | Deixe um comentário

Antes de tudo, vejamos o diálogo abaixo [1]:

Protágoras: A verdade é relativa. É questão de opinião.

Sócrates: Você quer dizer que a verdade é uma mera opinião pessoal?

Protágoras: Exatamente. O que é verdade para você é verdade para você, e o que é verdade para mim é verdade para mim. A verdade é pessoal.

Sócrates: Você realmente acha isso? Que a minha opinião é verdade em virtude de ser minha opinião?

Protágoras: Eu realmente acho.

Sócrates: A minha opinião é: a verdade é absoluta, não é opinião, e que você, Sr. Protágoras, está absolutamente errado. Como esta é a minha opinião, então você deve concordar que ela é verdade, de acordo com a sua filosofia.

Protágoras: Você está totalmente certo Sócrates.

Esse diálogo já é o bastante pra mostrar ao leitor que o relativismo é tão consistente quanto plantar uma sequóia no ar, em cima da própria cabeça. Mesmo assim, alguns ainda tentam justificar essa crença com dois tipos de argumento: Uns usam o argumento de que a nossa moral é determinada geneticamente, ou seja, somos só uns autômatos e tudo o que sentimos e achamos é pura ilusão (acho difícil que alguém realmente acredite nisso…) e outros usam um argumento social, ou seja, as culturas apresentam diferenças entre si, então a moral e a ética são relativas.

Bem, eu acho é que as culturas e pessoas têm OPINIÕES diferentes sobre o certo e errado, e opiniões não necessariamente são infalíveis, pura e simplesmente porque ninguém é. As culturas e indivíduos podem estar errados, mesmo que sejam sinceros, por exemplo, Hitler pode ter sido totalmente sincero, mas estava certo? E se a moral/ética são relativos, um julgamento internacional, tipo Nuremberg teria de ser baseado em quê?

Eu não tenho conhecimento nessa área, mas o que eu penso dessas diferenças culturais e de situações pode ser ilustrado da seguinte forma: Imagine duas pistas, num esquema tipo competição em um futuro caótico, uma ao lado da outra, mas diferentes no que diz respeito aos obstáculos, curvas, objetos… E em cada pista tem uma pessoa que deve se deslocar para a linha de chegada. A partir daí, dá pra visualizar diferentes estratégias que as pessoas utilizarão pra atingir o objetivo, até mesmo coisas extremas, por exemplo, imagine que uma das pessoas tenha de arrancar a própria perna, afim de se soltar de alguma ferragem. Neste caso o objetivo não é pura e simplesmente se mutilar, mas sim, chegar ao final. Agora imagine o mesmo cenário, só que antes do início da prova, cada participante recebe um manual com as regras do jogo. Acho que já deu pra pegar a idéia.

OBS: Eu sempre me refiro a uma Lei moral, e não à valores. Valores são subjetivos, a Lei é imposta. Eu acho que para o ateísta ser consistente, ele não deve acreditar em bem, mal, ética… deve crer que neste universo existe apenas indiferença. E óbvio que o relativista não tem base nenhuma pra criticar, por exemplo, a ética do PT… De qualquer forma, o relativismo assume como um princípio básico, o de que os valores mudam. Mas para o relativista, esse princípio é absoluto! Se o relativismo é baseado em um princípio absoluto e imutável, é contraditório [2].

[1] http://www.theapologiaproject.org/is_truth_relative.htm
[2] http://www.leaderu.com/orgs/probe/docs/measmor.html

Em tempo: Na verdade, alguns também crêem que Leis morais absolutas são contrárias à idéia de liberdade/livre arbítrio. Eu respondo com o meu argumento Corsário Yarrr!!!
http://www.i-am-bored.com/bored_link.cfm?link_id=18812

 


Entries e comentários feeds.